Mais uma vítima cai no “Conto do Vigário” em Ribeirão Pires

Um jovem desempregado de 27 anos, morador de Rio Grande da Serra, compareceu na delegacia de Polícia de Ribeirão Pires, por volta das 11:30 horas, noticiando que após realizar saque de seu seguro desemprego em um banco da Estância, enquanto caminhava pela rua Drº Felício Laurito, altura do nº 500, quando um indivíduo desconhecido que caminhava a sua frente, deixou cair um pacote que supostamente continha cinco blocos de cédulas de R$ 100,00, presas com elástico e dentro de um papel pardo, momento que uma mulher não identificada, que estava ao lado da vítima apontou para o chão dizendo que o rapaz havia deixado cair e pediu para a vítima chama-lo.

A vítima de 27 anos, que após terem entregue o pacote para o indivíduo desconhecido o mesmo lhe ofereceu proposta de emprego, mais uma recompensa de R$ 150,00 como retribuição, mediante que deixassem a bolsa com ele no momento em que um dos supostos premiados fossem buscar o prêmio no local sugerido.

Segundo relatou a vítima, a tal mulher foi até o local sugerido pelo indivíduo desconhecido, deixou sua bolsa com eles e voltou com um vale no valor de R$ 300,00 e informou a vítima para que ele levasse este vale no local, que ficava na próxima rua à direita no número 47, e após a vítima deixar a sua mochila, contendo os seus objetos com os dois indivíduos e caminhar até o local informado e não ter encontrado o tal comércio de fazer roupas, retornou até o local que entregou sua mochila e não encontrou mais os indivíduos.

Na Delegacia de Polícia, ficou apreendido os 05 blocos de papais presos com elástico imitando cédulas de R$ 100,00. Junto com a mochila da vítima, foram levados: 01 aparelho celular, R$ 700,00, o contrato de rescisão da vítima com a sua última empresa, 01 cartão bancário, documentos pessoais, 01 carregador de celular, 01 óculos de sol e 01 blusa de moletom.

Em uma das principais versões do Conto do Vigário, remonta Portugal do século XIX quando alguns malandros chegavam às cidades desconhecidas e se apresentavam como emissários do vigário. Diziam que tinham uma grande quantia de dinheiro numa mala que estava bem pesada e que precisaria guardá-la para continuar viajando. Diziam que como garantia era necessário que lhes dessem alguma quantia em dinheiro para viajarem tranquilos e assim conseguiam tirar dinheiro dos portugueses facilmente. Dessa forma, até hoje somos vítimas dos contos dos vigários que andam por aí, por isso a dica é, tomar muito cuidado com ajudas e ganhos, para que não caia num Conto do Vigário. Em Ribeirão Pires, este não é o primeiro nem o único caso dessa modalidade de golpe, mas esperamos que seja a último. Luís Carlos Nunes.

Deixe uma resposta